ComportamentoGeralSocial Media

A importância da interpretação de dados na sociedade da informação

Você já deve estar cansado de ouvir que nós vivemos uma era em que o volume de dados é gigantesco, principalmente devido às redes sociais. Mas os dados por si só não têm significado. De nada vale saber que a sua página do Facebook possui 75% de interações originadas de usuárias mulheres se você não souber como analisar e cruzar essa informação com as demais que você tem acesso.

O mercado convencionou chamar esse grande volume de dados de Big Data. Vale ressaltar que algumas coisas mudaram desde que esse conceito surgiu lá pela década de 90. Se antes os dados armazenados diziam respeito à informação interna da empresa – como o Walmart, que identificava os hábitos dos consumidores analisando suas escolhas nos pontos de venda -, atualmente a informação está relacionada principalmente aos dados externos do público.

Com a ajuda do Facebook, Twitter e outras redes sociais, é possível saber com quem a sua empresa está conversando, já que ela tem acesso à um raio-x completo do seu consumidor. É possível saber quais são seus interesses, o que faz no tempo livre, qual é sua profissão, sua idade e até quais são os lugares que mais frequenta.

Então, saber interpretar que 75% das interações que são feitas com a sua marca nas redes sociais se originam de usuárias do sexo feminino, por exemplo, permite que a comunicação seja mais direcionada e personalizada. Ter um canal de relacionamento mais assertivo acaba por estreitar a relação com o consumidor e, por consequência, fortalecer sua marca.

É importante compreender que o conceito de Big Data deve sempre estar aliado à capacidade de interpretar os dados e, dessa forma, gerar insumos comportamentais que se transformarão em insights relevantes para o seu negócio. Do contrário você deixa de ter um banco de dados úteis para ter apenas um bando de dados sem importância.

Previous post

Emojipedia, a enciclopédia dos emojis ;)

Next post

IKEA e o primeiro bungee jump sem fio

Marina Imamura

Marina Imamura

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *