ComportamentoLifestyle

Desafiando o Status Quo

Essa semana li um artigo muito interessante falando sobre Youngme Moon, professora da Harvard Business School, que em seu livro Different – escaping the competitive herd (“Diferente: escapando do rebanho competitivo”), relata que a abundância de oferta criou um novo tipo de consumidor: o especialista. Capaz de desconstruir uma categoria de produtos em subcategorias e mini-categorias, ele aprendeu a diferenciar as marcas por meio de pequenos detalhes.

Ela dedica todo um capítulo ao status quo, ou seja o “padrão de mercado”.

Quando uma marca, empresa ou produto, atinge o tão sonhado sucesso e com isso a lucratividade, é estabelecido então um novo padrão de mercado. Em consequência é seguido e imitado por todos como se não houvesse outro caminho a ser seguido.

Ao invés de buscar desenvolver algo novo baseado única e exclusivamente no que o consumidor possa esperar, elas ficam o tempo todo monitorando o que os concorrentes fazem no intuito de fazer algo melhor.

Quem não se lembra de anos atrás, em que quase que 100% das marcas de cerveja exploravam o mesmo tipo de comunicação: verão, amigos e claro e mulheres em trajes mínimos.

A consequência a longo prazo é que o status quo, acaba levando a mesmice, e todas as marcas seguem o mesmo caminho. Então o que acontece quando uma marca simplesmente ignora e vai na direção oposta?

A autora afirma, que por não saber ou ignorar o padrão, a marca passa a focar em sua diferenciação, o que tornará uma marca única e diferente do “mercado padrão”, com isso se destaca e ganha relevância perante os consumidores.

Mas será que isso realmente funciona? Vale lembrar de marcas como Dove em sua campanha “Verdadeira beleza”, em que as estrelas não eram modelos, e sim mulheres comuns – e que conquistou grande repercussão mundial, por seu ineditismo e quebra do status.

O que vem em seguida: os concorrentes seguem o mesmo caminho, levando a marcas  inovadoras a quebrar novamente o paradigma estabelecido, num ciclo de inovação constante, independente do sucesso atingido anteriormente.

Previous post

Influenciadores: a importância e os perigos

Next post

Polêmicas: a marca deve se envolver ou não? Eis a questão!

henrique

henrique

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *