Art&DesignComportamentoTecnologia

Inteligência Artificial e o Futuro da Criatividade

Para todas as pessoas que trabalham com criatividade, como eu, em duas oportunidades no ano, os olhos costumam se voltar para a Adobe. Em seus dois eventos anuais, a empresa apresenta as suas novidades e visões para o futuro. E cada vez mais é seguro afirmar que os olhos da empresa estão voltados para o futuro da criatividade em si, não só para a evolução dos softwares.

É claro que as atualizações e novas funcionalidades chamam a atenção de todos e são o momento mais esperado da conferência, mas o que realmente pegou minha atenção foi a maneira como a Adobe enxerga o futuro da criatividade. Segundo eles, a visão pode ser definida por três pilares:

  • Todas as pessoas são potenciais Storytellers, com capacidade para criar conteúdo, imagens e vídeos para contar uma história. Pensando nisso, a Adobe tem tentado simplificar e democratizar alguns produtos.
  • Experiências imersivas, a fim de libertar a criatividade e a experiência do usuário. Sem dúvida, as novas queridinhas dos criativos dentro das agências: Realidade Virtual e vídeos 360º;
  • Por último e não menos importante, a Inteligência Artificial, para gerar ferramentas e processos que acelerem a criatividade e reduzam o trabalho pesado, fazendo assim com que as agências ganhem tempo e se preocupem com o que realmente importa. Se tornarem cada vez mais pensantes e estratégicas, focadas no resultado gerado ao cliente.

Mágica? Design? Ou a Tecnologia do Futuro?

Adobe Sensei. Não é um programa, mas é revolucionário. O Framework de inteligência artificial e machine learning é o responsável pelo terceiro pilar da visão deles. Esse é o motor que pretende acelerar a criatividade que eu mencionei aí em cima.

Mas vamos a um exemplo prático? A inteligência artificial vai ajudar em trabalhos chatíssimos, como por exemplo, recorte de elementos e sugerir conteúdo relacionado e edições baseadas no estilo de cada usuário (sim, eles também estão focados na estratégia de marketing one to one que mencionamos anteriormente). Sendo assim ferramenta se adapta a você, por mais surreal que isso pareça.

Uma sinergia dessas entre uma inteligência artificial e as ferramentas me faz questionar até onde podemos chegar. Eu detesto clichês e os evito a todo custo, mas nesse caso as possibilidades criativas parecem praticamente ilimitadas e não são coisas para o futuro, são para AGORA.

Previous post

O Facebook anuncia o fim dos Dark Posts

Next post

O eSport e a legislação desportiva brasileira

Leonardo Ferreira

Leonardo Ferreira

Designer, nerd desde sempre, guitarrista frustrado e ficando cada dia mais careca. Fã de tecnologia, pizza, Rock e chegado em jogar videogame quando não tem nada melhor pra fazer. Alguns diriam que eu sou um hipster daqueles, mas não uso óculos ainda.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *